Urgente: Famosa funkeira carioca morre após passar por cirurgia estética no RJ


Infelizmente, o mundo do funk perdeu uma grande cantora, famosa por seus hits e pelo seu carisma, a funkeira perdeu a vida após passar por um procedimento estético em uma clínica localizada na cidade de Rio de Janeiro.

Trata-se da cantora de funk conhecida como ‘MC Atrevida’, que veio a óbito 11 dias após passar por uma cirurgia estética, na ‘Clínica Rainha das Plásticas’, que fica em Vila Isabel, na zona norte da cidade maravilhosa.

Fernanda Rodrigues, de 43 anos, se submeteu ao procedimento conhecido como ‘hidrolipo’ com enxerto, de acordo com o portal de notícias online, ‘UOL’, a cirurgia consiste em transferir a gordura de um local do corpo, que no caso da cantora foi retirada das costas e aplicado no bumbum.

Funkeira Fernanda Rodrigues, conhecida como MC Atrevida, morre após cirurgia estética - Reprodução/Facebook

Segundo informações de amigos e familiares, logo após a cirurgia ela começou a passar mal e sentir fortes dores.

Entrou bem na clínica, sorrindo, feliz para realizar o sonho da vida dela”, disse uma amiga de 15 anos em um vídeo postado nas redes sociais. Segundo ela, o médico responsável pela operação é ortopedista e não cirurgião plástico.

MC Atrevida era muito querida na Ilha do Governador, na zona norte do Rio, onde morava.

Após alguns dias, as dores se intensificaram e a funkeira foi levada para o Hospital Municipal Evandro Freire. De acordo com a secretária de saúde, a cantora deu entrada em estado grave na emergência da unidade de saúde no dia 26 de julho. Mas, não resistiu e foi a óbito no dia seguinte.

Funkeira MC Atrevida morre após fazer procedimento estético em clínica na Vila Isabel, no Rio - Casos de Polícia - Extra Online

A paciente foi encaminhada para UTI (Unidade de Terapia Intensiva) em estado grave, mas morreu no dia seguinte.

Secretaria da Saúde do Rio de Janeiro, em nota oficial.

LEIA TAMBÉM:

Enfermeiro, de 22 anos, mandou mensagem de despedida e pediu para mãe realizar seu último desejo antes de morrer por Covid-19

Fonte: UOL