Presidente do Atacadão é a favor da prorrogação do auxílio emergencial de R$ 600: “é fundamental continuar”


Recentemente, o Jornal do Estado de S.Paulo, divulgou uma entrevista realizada com o executivo Roberto Müssnich, presidente do Atacadão (grupo do Carrefour), a qual ele afirma que se a liberação do auxílio emergencial no valor de R$600, não fosse concedida para trabalhadores autônomos, a crise iria se agravar ainda mais.

A entrevista foi concedida diante das disputas políticas que estão agravando ainda mais a crise causada pelo surgimento da pandemia do novo coronavírus, que atualmente, já resulta em uma previsão média de uma queda do PIB superior a 6%.

Roberto Müssenich participou da entrevista durante esta semana, onde foi realizado uma série de entrevistas ao vivo para o ‘Economia na Quarentena, do Estadão’. Para o executivo, foi e ainda é fundamental a liberação do auxílio. “Foi fundamental e é fundamental continuar. Não sei até onde vai a capacidade do governo. Achei muito sensível e rápida a resposta da máquina pública”.

Questionado acerca de como está sendo viver uma crise em cima de outra, o executivo disse que todos estão no mesmo barco, onde ou sobrevivem ou afundam. “Quando todos tentam se retaliar, é ruim. Vamos ver uma pobreza crescente – e todos estamos no mesmo barco. Ou todos sobrevivemos ou todos afundamos. Agora não é momento de discussão. Vamos deixar para discutir quando as coisas estiverem bem.”

Para finalizar, Roberto foi questionado sobre sua opinião a respeito de uma prorrogação no auxílio emergencial de R$ 600. Sem titubear, o executivo afirmou que é de extrema importância que isso ocorra. “É extremamente importante. Fomos a primeira empresa a aceitar o cartão do benefício no caixa. Ajustamos o nosso sistema para aceitar o cartão da Caixa. Quando você está na loja, vê o quão isso é importante para a necessidade básica. Foi fundamental e é fundamental continuar. Não sei até onde vai a capacidade do governo para ajudar as pessoas. Achei muito sensível e muito rápida a resposta da máquina pública. Acredito sim em uma recuperação mais rápida se cada um contribuir. Nós contratamos 5 mil pessoas (desde o início da pandemia). Na quinta-feira, inauguramos uma loja nova em Picos, no Piauí, com 350 empregos diretos”.

Fonte: UOL