Marcas de nascença podem evidenciar acidentes ocorridos em sua vida passada


Marcas de nascença podem ser encontradas espalhadas ao redor de todo nosso corpo, podendo ser pequenas pintas ou manchinhas, elas fazem parte da nossa pele desde o nascimento.

O que muitos não sabem, é que existe crenças afirmando que tais manchas podem nos revelar acidentes ocorridos em vidas passadas, evidenciando até mesmo a maneira que falecemos.

Certamente, em algum momento de sua vida, você se deparou com a história do menino Sam, que ofereceu provas convincentes de que era a reencarnação de seu avô.

Pensando sobre isso, O Dr. Jim Tucker, um estudioso da Universidade de Virgínia, nos Estados Unidos, concentrou seus esforços para investigar e desvendar tal mistério, nos contemplando com evidências que envolveram a morte do homem.

Não parando por aí, outro estudioso que ofereceu seu tempo para averiguar os motivos de tal marca foi o Dr. Ian Stevenson, estudando 210 pessoas que foram contempladas com tal marcas, buscando se isso realmente tinha alguma ligação com vidas passadas.

Durante os anos de 1966 e 1971, o profissional viajou diferentes lugares ao redor do mundo, realizando entrevistas com crianças de dois a quatro anos. De acordo com suas conclusões, estudos feitos com as crianças foram capazes de oferecer melhores resultados, visto que os pequeninos eram menos propensos a falarem mentiras sobre o assunto.

Casos mostram ligação entre as marcas e vidas passadas

O que intrigou muitas pessoas foi um curioso caso envolvendo reencarnação, revelado pelas pesquisas realizadas pelo Dr.Tucker.

Em uma de suas tentativas de desvendar o mistério, realizou uma pesquisa com uma mulher que havia falecido na Tailândia, que manifestava seu desejo de reencarnar no corpo de uma criança. Sua neta, objetivando realizar o desejo de sua falecido avó, decidiu fazer uma marca na nuca da falecida usando uma “pasta branca”. Após certo tempo, sua avó faleceu, e a neta pôde dar a luz a uma criança que, de forma impressionante, nasceu com uma marca branca atrás de seu pescoço, algo bastante semelhante com a “pasta branca” que sua avó carregava quando estava viva.

Passando-se alguns dias, a criança que veio ao mundo passou a reivindicar os bens que eram de sua bisavó, como se tudo aquilo, na verdade, pertencesse a ela. O caso citado é somente um dos investigados pelo profissional, que revelam a possibilidade das marcas terem grande ligação com as vidas passadas.

Diversos especialistas ao redor do mundo concentram sua energia para revelar tais mistérios, afirmando com unhas e dentes a ligação com as manchas de nascença. Outros, no entanto, consideram tais marcas algo comum, dizendo que tais declarações não se baseiam em nenhum tipo de fundamento.