Maia fala sobre quantos meses auxílio emergencial poderá ser prorrogado e afirma: “não quebrará país”


Com o surgimento do novo coronavírus, o governo liberou para os trabalhadores informais, desempregados e autônomos o auxílio emergencial no valor inicial de R$600. No entanto, muito se tem falado sobre estender o benefício por mais alguns meses.

Nesta terça-feira, 23 de junho, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, disse que estender o auxílio emergencial por um ou dois meses não vai ‘quebrar’ o País financeiramente. Durante uma vídeo conferência promovida pelo Comércio França-Brasil, o parlamentar disse que isso é um exagero. “É exagero de quem diz isso”.

No entanto, recentemente, durante uma transmissão ao vivo nas redes sociais, o atual presidente da república, Jair Messias Bolsonaro disse que, vetaria eventuais propostas do Congresso Nacional, onde fosse estipulado o pagamento de mais duas parcelas do auxílio com o valor atual pelo governo federal. Para o Ministério da Economia, o benefício deve ser estendido por mais dois meses desde que, o valor seja referente a R$300..

Para Rodrigo Maia, deve-se pensar em um “grande programa com foco na renda dos mais vulneráveis”. Porém, ele ressalva que, pagar os R$600 por tempo indeterminado seria ‘inviável’. Ainda de acordo com o parlamentar, o cadastro utilizado pelo governo federal para o pagamento do auxílio deveria ter aproveitado os dados já detidos pelos municípios.

Para finalizar, o presidente da Câmera dos Deputados disse que, a gestão de Jair Bolsonaro, deveria pensar em uma estratégia para eliminar aqueles que não precisam dos R$600, ou recebam indevidamente o valor. Portanto, para ele é necessário que se organize em pouco tempo os desembolsos “no curto prazo” e, depois, estudar a criação de uma renda mínima aos mais vulneráveis baseada no cadastro único do INSS e na lista de beneficiários do Bolsa Família.

Fonte: UOL