Enquete: Eduardo Bolsonaro nega racismo no país. Você acredita que no Brasil ‘Vidas Negras Importam’?


Para o deputado federal Eduardo Bolsonaro, não há razões para que no Brasil aconteça atos e manifestações antirracistas, como as que aconteceram nos últimos dias.

De acordo com Eduardo Bolsonaro, os brasileiros importaram as manifestações que acontecem no Estados Unidos por causa da morte George Floyd, o homem negro assassinado por um policial branco no último dia 25 de maio, que gerou uma onda de revolta em todo mundo.

Para o parlamentar estes atos não passam de baderna, já que no Brasil não há casos de violência policial contra negros como aconteceu nos Estados Unidos.

Parece que Eduardo Bolsonaro vive em um outro país com uma realidade completamente diferente dos demais que vivem em terras tupiniquins.

“Se você observar o que está acontecendo nos Estados Unidos, os protestos, eles dizem manifestações, eu diria baderna. Eles dizem contra racistas, eles estão tentando importar isso aqui para o Brasil mesmo não havendo caso como o de Floyd, que infelizmente morreu, ninguém quer que isso aconteça”, disse o filho do presidente Jair Bolsonaro.

Um dos casos que chamou atenção há pouco mais de um mês foi a morte de João Pedro, de 14 anos, por policiais civis e federais que invadiram a casa onde o adolescente negro foi morto com tiro nas costas.

Para Eduardo, tais atos são promovidos pela esquerda, com pessoas violentas com a intenção  de desestabilizar o governo.

Apenas a Polícia do Rio de Janeiro matou, de janeiro a julho de 2019, 1.075 pessoas, a maioria negras, um número maior que o total de assassinatos cometido por todas as polícias dos Estados Unidos no mesmo período.

Você acredita que no Brasil Vidas Negras Importam? Vote na enquete abaixo:

 

COVID-19

O novo coronavírus – Covid-19 – não escolhe suas vítimas, todos estão sujeitos e suscetíveis ao contágio, por isso siga as orientações da OMS – Organização Mundial da Saúde e do Ministério da Saúde e proteja-se. FIQUE EM CASA!!!

Cuide-se para não se tornar mais uma vítima da Covid-19.
 

Fonte: Sputinik