Chester, tender ou peru: Qual a escolha mais saudável para sua ceia?


Durante o final de ano e datas festivas, alguns pratos tradicionais acabam ganhando destaque. Entre eles encontramos: o peru de natal, o chester e o frango. Mas, afinal, qual dessas alternativas é a mais saudável? Alguns dos fatores que mais determinam isso são o método de preparar as carnes de natal e o processo de industrialização que cada uma dessas opções geralmente passam.

Chester, Peru ou Frango?


Todas as aves são alimentos ricos em proteínas de alto valor biológico, incluindo fontes de aminoácidos essenciais. Ou seja, aqueles que o organismo é incapaz de produzir e precisam ser obtidos pela alimentação. Essas proteínas são necessárias para a síntese e recuperação muscular, sendo aliadas no desenvolvimento dos músculos.

Apesar disso, a nutricionista Clarissa Fujiwara afirma que a carga proteica de cada uma das receitas não é o único elemento a se analisar: as quantidades elevadas de sódio e a gordura saturada também precisam ser levadas em consideração, juntamente às suas possíveis implicações à saúde.

Essa é uma atenção necessária no caso do chester, por exemplo. Na verdade, a ave é um tipo de tipo de frango no qual maior parte da carne está concentrada no peito. No todo, isso seria visto como um fator positivo, já que o corte de peito de frango é considerado o mais saudável. Porém, a alta concentração de glutamato monossódico durante a fabricação pode elevar a quantidade de sódio a níveis alarmantes.

Já no caso do frango comum, a maior controvérsia se encontra na presença da pele. A concentração de gordura saturada nos cortes de coxa/sobrecoxa de frango com pele foi maior que nas amostras de peru e chester, o que pode prejudicar a saúde. Isso porque ela pode estar associada ao aumento do colesterol e riscos de doenças cardiovasculares.

Em contrapartida, o peito de frango comum e sem pele é o que apresenta uma quantidade menor dessas gorduras prejudiciais à saúde. Depois dele, a receita de peru foi a que apresentou valores menores dessa substância, ainda que a quantidade de sódio também aparente ser alta.

Um último comparativo seria o de calorias: os cortes menos calóricos foram o de peito de frango sem pele e o de peru. Veja os valores nutricionais comparativos em amostras de 100g de frango, peru e chester:

Tabela comparativas das carnes brancas

Minha Vida

Carne para o natal: qual a melhor opção?

Entre todas as alternativas, aquelas que mostraram valores razoáveis para consumo foram o frango assado e o peru de natal. Receitas como o de Chester possuem muita gordura saturada que, em excesso, pode contribuir para elevar o LDL-colesterol, popularmente conhecida como “colesterol ruim”.

E, apesar de ser uma opção considerado relativamente saudável, o peru pode não ser a opção recomendada pela quantidade de sódio. Exemplo disso, são as evidências científicas que indicam que, entre adultos com diagnóstico de pré-hipertensão e hipertensão reduções na ingestão de sódio podem favorecer o controle da pressão arterial.

Sabendo disso, se o peru de natal for a opção de escolha para o fim de ano, é válido ressaltar que a forma de cozinhar o alimento deve ser feita com cuidado para evitar o máximo possível índices nutricionais alarmantes e evitar riscos. Acompanhe a seguir:

Como fazer peru de natal


1. Pesar 6kg de peru congelado e deixar descongelar em uma bacia em geladeira até que esteja descongelado (aproximadamente 6 horas).
2. Limpar e lavar bem o peru.
3. Não adicionar nenhum ingrediente ao alimento.
4. Separar em 6 amostras de 1kg.
5. Colocar o peru com o peito para baixo em uma assadeira anti-aderente e assar em forno quente por 60 minutos.
6.Virar somente uma vez. Quando o peru estiver dourado, estará pronto (aproximadamente 60 minutos).
7. Deixar esfriar.

Fonte: Minha Vida