Caso Danilo: Padrasto tira a vida do enteado de 7 anos de forma cruel e detalhes chocou até a polícia


Essa é uma das notícias que tem causado grande revolta no Brasil, e que está repercutindo em todos os sites de notícias e nas redes sociais, pela forma cruel como tudo aconteceu envolvendo uma criança. Tudo aconteceu na cidade de Goiânia, o pequeno Danilo tinha 7 anos quando desapareceu, alguns dias depois ele foi encontrado sem vida em uma mata fechada próximo de sua casa.

Até então o crime era um mistério e ninguém sabia como tudo tinha acontecido, após investigações, a policia chegou no padrasto do garotinho, que se tornou o principal suspeito do crime cruel e bárbaro.

pai de enteado pisa na cabeça

No ultimo dia 31 de julho, Reginaldo Lima, padrasto de Danilo foi preso, a polícia descobriu que ele tinha matado o menino de forma brutal, segundo as investigações, foi apontado que ele pisou na cabeça no menino impedido que ele gritasse por socorro.

O delegado Ernane Cezar, responsável pelo caso, contou detalhes de como o padrasto matou Danilo e chocou a todos. Ele alegou que o homem teria segurado com a mão a cabeça do menino e pisado várias vezes contra o solo impedindo que ele respirasse.

Danilo Sousa Silva, de 7 anos, desaparecido em Goiânia, Goiás — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Novas informações surgiram, e foi apontado que Reginaldo teve ajuda de outro rapaz, de 18 anos, Hian Alves de Oliveira, que trabalhava de servente de pedreiro. O rapaz é filho adotivo de um pastor que mora na mesma rua que o autor do crime. O rapaz segurava o menino, enquanto Reginaldo o agredia.

Bombeiros encontram corpo em área de mata, em Goiânia, Goiás — Foto: Marina Demori/TV Anhanguera

Hian supostamente iria ganhar uma moto de Reginaldo se ajudasse no crime. Na delegacia os dois negaram qualquer participação no crime, e a imprensa aguarda contato da defesa para esclarecer o fato acontecido. A morte de Danilo, que tinha apenas 7 anos, causou grande revolta em Goiania e também em todo Brasil, todos clamam por justiça.

Reginaldo Lima, padrasto do menino, e Hian Alves, colega e suspeito de auxiliar na morte, em Goiânia, Goiás — Foto: Divulgação/Polícia Civil de Goiás

Fonte: G1