Bolsonaro faz comunicado preocupante sobre o Auxílio emergencial; “Não podemos continuar por muito tempo”


A pandemia do coronavírus está mexendo com a economia mundial e deixando muitas famílias em situação vulnerável. Por conta disso, foi criado pela equipe do governo federal o auxílio emergencial, que, a priori, seria pago em três parcelas no valor de R$ 600, 00 cada uma delas,

Os trabalhadores informais, famílias de baixa renda cadastradas no CadÚnico e no programa do Bolsa Família, se inscreveram e passaram a receber a ajuda emergencial do governo. Era esperado que a pandemia durasse pouco tempo e assim os comércios e fábricas voltassem a funcionar, alimentando a economia local.

Mas, isso não aconteceu, e agora já com o pagamento ativo da terceira parcela começou a surgir o clamor dos brasileiros pela prorrogação do auxílio emergencial. O assunto foi bastante discutido e enfim, o governo anunciou que o beneficio seria prorrogado para mais dois meses.

Agora, nessa quinta-feira (02), o presidente do Brasil Jair Messias Bolsonaro disse que o país está se endividando ainda mais por conta do auxílio emergencial. Bolsonaro disse que assinou o decreto para mais duas parcelas.

Disse ainda que não poderá garantir mais que isso e revelou que tem pedido ajuda aos governadores e prefeitos para colocarem a economia para funcionar.

Ainda nessa live, Pedro Guimarães disse que o calendário da 4ª e 5ª parcelas já estão sendo elaborados, e logo serão divulgados nas redes sociais.

Noivo morre 2 dias após casamento e mais de 100 convidados descobrem que foram infectados com coronavírus

Todos contra a Covid-19

Fonte: UOL