Home > Notícias > Acidente ou ataque? Queda de avião no Irã deixa 176 mortos

Acidente ou ataque? Queda de avião no Irã deixa 176 mortos

Na noite desta terça-feira (7), o Irã fez seu primeiro contra-ataque direcionado aos Estados Unidos em represália à morte do general Qassem Soleimani, morto em uma ataque comandado pelas forças americanas na última sexta-feira (3).

O Irã disparou vários mísseis contra as bases americanas localizadas em solo iraquiano, ainda não há informações sobre vítimas deste ataque. Horas depois, na madrugada desta quarta-feira (8), um avião Boeing 737, caiu logo após decolar do aeroporto internacional de Teerã, capital do Irã. A aeronave levava 176 pessoas, não há sobreviventes; saiba mais.

Acidente ou ataque? Queda de avião no Irã deixa 176 mortos

A princípio a embaixada da Ucrânia em Teerã, divulgou um comunicado afirmando que o motivo da queda do avião teria sido por problemas técnicos que ocasionaram a falha dos motores. Porém, imagens mostram a aeronave em chamas antes de atingir o solo e explodir, diante destes fatos mais tarde uma outra nota a embaixada ucraniana voltou atrás e revelou que as causas estão sendo investigadas.

As duas caixas pretas da aeronave já foram recolhidas e serão periciadas. A queda aconteceu perto da cidade de Parand, localizada no subúrbio de Teerã. Infelizmente os 167 passageiros e 9 tripulantes morreram na queda, não há informações sobre vítimas no solo.

Vadym Prystaiko, ministro ucraniano de Relações Exteriores, afirmou que haviam passageiros de diversas nacionalidades à bordo da aeronave:

  • 82 do Irã
  • 63 do Canadá
  • 10 da Suécia
  • 4 do Afeganistão
  • 3 do Reino Unido
  • 3 da Alemanha
  • 2 da Ucrânia

Todos os tripulantes eram da Ucrânia.

Fonte: G1

You may also like
Vídeo mostra momento em que avô deixa neta cair em janela de cruzeiro
Urgente! Explosão em show do cantor Dilsinho deixa quatro feridos em SP
Irã admite ter derrubado avião ucraniano por engano e culpa Estados Unidos
Trump pede para que países que possuem acordo com Irã o abandonem, porém Reino Unido ignora o presidente americano